Pessoas que já viram este blogue?

Quem segue este blog:

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Mensagem do dia 16 de julho de 2015


Há momentos em que nos sentimos arrasados pelas acusações injustas. Pois é aí que precisamos manter o equilíbrio. Quanto mais você se aborrecer, mais razão dará aos acusadores. Considere as ofensas como coisas passageiras, que logo serão esquecidas.
Padre Marcelo Rossi

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Cabo Verde vence Portugal pela primeira vez



Portugal perdeu com Cabo Verde por 2-0, em jogo de carácter amigável. Odair Fortes e Gegé fizeram os golos dos "Tubarões Azuis". Esta é a primeira vez na história - à terceira foi de vez - que a selecção nacional leva os lusos de vencidos.
Depois de Bernardo Silva ameaçar pela esquerda num centro que Hugo Almeida não conseguiu desviar, Portugal tomou conta do jogo a partir dos 14 minutos. Vozinha negou o golo a Vieirinha aos 15 minutos com grande defesa e voltou a fazer o mesmo aos 19, a remate de Bernardo Silva na área após centro de Vierinha.
Os "Tubarões Azuis", com melhor entrosamento e mais velozes nas alas, responderam em contra-ataque e com golo. Aos 21’, Nuno Rocha deu mal na bola e falhou o primeiro após centro de Odair. Mas aos 38, Odair Fortes fez o 1-0 para Cabo Verde. Em mais um lance de contra-ataque, o extremo do Reims de França meteu na área, a bola ganhou um efeito estranho e entrou junto ao segundo poste, apesar da estirada de Anthony Lopes (podia ter feito mais). Era a primeira explosão de alegria nas bancadas do António Coimbra da Mota.
Portugal, que sentia inúmeras dificuldades para entrar no último reduto cabo-verdiano em lances de bola corrida, vai sofrer o 2-0 as 43 minutos. Num livre de Heldon, Júlio Tavares desviou ao primeiro poste para Gegê aparecer ao segundo e fazer o 2-0. Tudo simples e eficaz. O resultado penalizava a lentidão do meio-campo luso, que não conseguia criar jogo. Apenas os homens das alas, em especial Bernardo Silva, mostravam mais ambição em ganhar o jogo. Na frente, Hugo Almeida não conseguia superiorizar-se a Fernando Varela e Gegê.
Com Ukra em campo no lugar do apagado João Mário, Portugal entrou no segundo tempo determinado em dar a volta ao texto. Vieirinha viu Vozinha negar-lhe o golo aos 47. Hugo Almeida esteve perto do primeiro da turma de Fernando Santos aos 49 mas o remate saiu ao lado. A entrada era promissora mas tudo ficou mais complicado quando André Pinto foi expulso aos 60 minutos, depois de travar Heldon que ia isolado para a baliza.
Por esta altura a festa era crioula nas bancadas, com os adeptos cabo-verdianos a gritarem olés nas trocas de bola dos "Tubarões Azuis". A batucada crioula também entrou em cena, dando um colorido azul-e-branco às bancadas do António Coimbra da Mota, que teve várias personalidades ilustres, entre eles o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.
As muitas substituições feitas no segundo tempo e o facto de Portugal jogar com menos um, tiraram alguma intensidade ao jogo. Entraram Éder, Pizzi, André André, Danilo Pereira e André Almeida na turma lusa. Até ao final do encontro, Portugal teve duas soberanas oportunidades para reduzir, por André André e André Almeida mas falharam o alvo.
Ao terceiro jogo entre as duas selecções (que Cabo Verde perdeu por 4-1 em 2006 e empatou a zero em 2013), Cabo Verde consegue finalmente vencer.
Fonte: Sapo Desporto

Primavera crioula?

Pela primeira vez fiquei satisfeito com a atitude crioula dos cabo-verdianos que, de uma ponta a outra do país se manifestou com os Novos estatutos dos políticos.
Milhares de pessoas se manifestaram contra essa medida num momento em que se pede mais sacrifífio aos cabo-verdianos, com subida do IVA em mais 0,5 % com desculpas várias como crise internacional, mau ano agrícola e erupção vulcânica. Mas subida  de salários dos políticos para mais de 65% tudo bem. E os professores? e outros grupos profissionais?... muita lata!
É prenúncio de uma primavera crioula ou... primavera verde?
Ricardino Rocha

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Aluna de 12 anos proibida de assistir aulas



Nesta terça-feira, a TCV flagrou um descaso no nosso sistema de ensino. Uma aluna de 12 anos não pode assistir as aulas na Escola Secundária Abílio Duarte, na Cidade da Praia, por falta de uma carteira.
Uma cena chocante denunciada pela mãe, que levou a equipe da TCV ao local. Há 23 dias que ela está atrás de uma escola para a sua filha.
Quase um mês depois de início das aulas, a escola não pode receber aluna por causa de uma cadeira? Vamos ter que pensar nisso, minha gente.
O mais estúpido disso tudo foi a reação da diretora da referida escola que, ao ver que a câmara estava ligada, levantou-se e foi-se embora, para não ser filmada.
Isso também é mais um facto para mostrar aos nossos educandos que nem todos estão preparados para o cargo que ocupam.
E o lema continua a ser “ juntos por uma educação de qualidade e de excelência”.
Haja paciência… ou melhor haja excelência!

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

19 a 27 de setembro: semana mais chuvosa em Cabo Verde

Semana de 19 a 27 de setembro é a mais chuvosa em Cabo Verde.
Chove mais nesses 8 dias do que o ano todo.
Passando esse período, voltamos à estação seca. de Outubro a julho.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Crônica de um crioulo apagado.

 (A)pago os ões
 Aprendi na claridade das velas que o “ão” tem três plurais: ães, ãos e ões. Decidi então procurar nas lamparinas do meu juízo um palavrão para ver com qual eu podia ter a luz ideia de iluminar/insultar essa cidade: dei de caras com um… apagão.
Nesses dias estar sem energia elétrica da ELETRA (por favor, não confundam com Electra) É LETRA. O mais normal assunto do dia-a-dia. Agora, por exemplo, estou a escrever este “(a)pago os ões”, porém não estou certo se a eletricamania praiense me permitirá chegar até ao fim do texto. Se não conseguirem ler até ao fim é porque houve um “black out” ou… um branco!
O normal na Cidade da Praia, num verão mornal, é a falta de energia. Todos se queixam. Eletra dos fornecedores de combustível. Fornecedores de combustível da Eletra. Eletra dos consumidores. Consumidores da Eletra. Câmaras municipais da Eletra. Eletra das câmaras municipais. Governo da Eletra. Eletra do governo. Eletra de Cabo Verde. Cabo Verde da Eletra. Eletra do planeta terra. Planeta terra da eletra… e que Deus não escute mais essa meditação.
Acho que está faltando alguém aí, heim! Quem será? Hã, bomm: Os que não consomem, ou melhor, os que não pagam pelos com-sumos. Porque estes bebem noutros fornecedores. Consomem noutros com-sumo-dores. Moram noutros municípios. São governados noutros países. Residem noutras Cascas de Banana Verde.
Casa sem luz elétrica todos reclamam, todos discutem e ninguém tem luz eletra. Os infortunados pelo azar têm a sorte de serem eles que vão pagar os com-sumos da iluminação pública porque os com-sumo-dores não estão (dis)postos  a tirar o pouco da muita miséria que recebem para pagar aquilo que neles ligação ilegal na iluminação legal numa pública geral.
Quem fiscaliza a legalidade energética? Quem faz as alegadas ligações? Quem paga por elas? Quem ganha com isso? Consumidores ou com-sumo-dores?
Convenhamos que quem venha a seguir é quem está à frente. E os últimos serão sempre os últimos. E os primeiros… serão sempre os primeiros. Pago para ter luz e fico no escuro, apago a luz e lá vem a conta maior para pagar. Se não (a)pago é um (a)pagão!
“Céus! Eletra, isto é um dilema: pagar ou não pagar.” Tenho, de fato, um bilema: se não pagar, fico sem luz. Se pagar fico com apagão. Nessa empresa nada se apaga, tudo se paga… No escuro. Nessa escuridão… pago ou apago?
Se não fosse as ligações diríamos: “O último a sair apague a luz, por favor. Não! Quem sair primeiro desligue a luz e quem vier atrás… que fique no escuro” e, que no final do mês paga para não sofrer cortes, taxas de religação e juros sem pressa nenhuma.
E o que vai à frente não alumia duas vezes? Ou estou enganado, ou é a lâmpada que está fundida? Ir à frente ou não ir à frente? Eis a questão: To light or not to light? Entre “light” e “kafuka” o melhor mesmo é ter pilhas para isto porque senão… senão o quê? Ficamos sem energia!
Ricardino Rocha
http://www.9e10dejunho.blogspot.com/

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Regresso às aulas

No momento de regresso às aulas de toda a comunidade educativa, desejo a todos um ótimo começo e cheio de sucessos.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Alemanha campeã do mundo 24 anos depois



Desde da Copa de Itália em 1990 que a Alemanha não se sagrava campeã do mundo. Foi a primeira vez que eu tinha assistido uma final dum Mundial – a cores.
A partir daí a minha seleção dum Mundial seria sempre a Alemanha, com exceção de França´98.
Andreas Brehme de grande penalidade fez o único golo. Frente à Argentina.
24 anos depois, Mário Gotze fez o único golo. Frente à Argentina.
Em 1986, no México, não deu para assistir todos os jogos na única Tv da aldeia, a branco e preto porque era pequena e… muita gente à frente.
Dessa vez tudo foi diferente: LED e muito pouca gente.
A Mannschaftfoi a melhor e levou a melhor. 
De Alemanha de Mathaus, Klinsmar, Voeller, Brehme, Ilgner para Alemanaha de Muller, André Schürrle, Manuel Neuer, Schweinsteiger.